quarta-feira, 20 de março de 2013

Os azulejos e o barroco



 O termo azulejo designa uma peça de cerâmica de pouca espessura, geralmente quadrada, em que uma das faces é vidrada, resultado da cozedura de um revestimento geralmente denominado como esmalte que se torna impermeável e brilhante. Esta face pode ser monocromática ou policromática, lisa ou em relevo. O azulejo é geralmente usado em grande número como elemento associado à arquitetura em revestimento de superfícies interiores ou exteriores ou como elemento decorativo isolado.
Os temas oscilam entre os relatos de episódios históricos, cenas mitológicas, iconografia religiosa e uma extensa gama de elementos decorativos (geométricos, vegetalistas etc) aplicados a paredes, pavimentos e tetos de palácios, jardins, edifícios religiosos (igrejas, conventos), de habitação e públicos.
Com diferentes características entre si, este material tornou-se um elemento de construção divulgado em diferentes países, assumindo-se em Portugal como um importante suporte para a expressão artística nacional ao longo de mais de cinco séculos, onde o azulejo se transcende para algo mais do que um simples elemento decorativo de pouco valor intrínseco. Este material convencional é usado pelo seu baixo custo, pelas suas fortes possibilidades de qualificar esteticamente um edifício de modo prático. Mas nele se reflete, além da luz, o repertório do imaginário português, a sua preferência pela descrição realista, a sua atração pelo intercâmbio cultural. De forte sentido cenográfico descritivo e monumental, o azulejo é considerado hoje como uma das produções mais originais da cultura portuguesa.

O azulejo também foi um revestimento muito usado na decoração para recobrir paredes em interiores e jardins no período Barroco. Então, as cenas ganham um estatuto teatral e as molduras, de caráter exuberante, chegam a ter quase tanto peso como as cenas centrais que envolvem. Vão proliferar os côncavos e convexos, concheados, flores, frutos, cartelas, volutas e entrelaçados, putti, baldaquinos, efeitos ilusionistas arquitetônicos (balaustradas) e as chamadas figuras de convite.
Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Azulejo

















2 comentários:

  1. Também amo de paixão. Pena que é uma arte em extinção, ao menos no Brasil.

    ResponderExcluir