quarta-feira, 28 de novembro de 2012

domingo, 25 de novembro de 2012

Evanescence - Amy Lee



Evanescence é uma banda americana de rock, formada em 1995 na cidade de Little Rock pela vocalista e pianista Amy Lee; a formação original ainda contava com o guitarrista Bem Moody. Atualmente o grupo tem cinco integrantes, sendo que Moody já não está mais envolvido.

O Evanescence era popular na região de Little Rock, tocando em bares e casas noturnas. Os primeiros materiais da banda são os EPs: Evanescence (1998) e Sound Asleep (1999), no qual todas as cópias foram vendidas e são extremamente raras em todo o mundo. Porém a banda só ganhou fama e reconhecimento mundial no ano de 2003 com o álbum Fallen, que recebeu sete vezes disco de platina pela RIAA, além de vender mais de 17 milhões de cópias em todo o mundo, ajudando a banda a vencer dois Grammys.

O álbum ao vivo Anywhere but Home (2004) foi gravado em Paris permitindo sucesso internacional da banda, principalmente na Europa. Durante 2003 o single "Bring Me to Life" permaneceu por semanas no topo das paradas musicais, tornando-se o maior hit da banda até então; a canção ainda entrou para a trilha sonora do filme Daredevil. Em outubro de 2003, o guitarrista Ben Moody anuncia sua saída do Evanescence em meio a turnê Fallen Tour, alegando diferenças criativas com os outros membros da banda. O segundo álbum de estúdio, The Open Door (2006) trouxe de volta a banda após dois anos de hiato. O disco vendeu cerca de 6 milhões de cópias em todo o mundo. Após a turnê The Open Door Tour em 2007, o guitarrista John LeCompt e o baterista Rocky Gray deixam a banda. Com isso restam apenas Lee e Balsamo, já que Will Boyd também deixara a banda em meados de 2006.

O terceiro disco auto-intitulado da banda Evanescence (2011) debutou em primeiro lugar na Billboard 200 por cerca de 130 mil cópias na primeira semana de vendas. Foram lançados até então três singles: "What You Want", "My Heart Is Broken" e "Lost in Paradise". Atualmente a banda está em turnê e conta com cinco integrantes: Amy Lee, Terry Balsamo, Tim McCord, Will Hunt e Troy McLawhorn.
Membros
Amy Leevocais, piano, teclado (1995–atualmente)
Terry Balsamoguitarra (2003–atualmente)
Tim McCordbaixo (2006–atualmente)
Will Huntbateria (2007–atualmente)
Troy McLawhornguitarra rítimica (2007–atualmente)
Ex-membros
Ben Moodyguitarra (1995–2003)
David Hodgesteclado, vocais (1999–2002)
Rocky Graybateria (2001–2007)
John LeComptguitarra rítimica (2001–2007)
Will Boydbaixo (2002–2006)
Discografia

Fonte:
pt.wikipedia.org/wiki/Evanescence











Evanescence - Bring Me To Life (legendado)


Evanescense - Good Enough


Twilight   Evanescence - Taking Over Me

sábado, 24 de novembro de 2012

O mundo aproxima-se do Fim... De novo



A profecia de 2012 baseia-se no calendário maia, que termina a 21 de Dezembro de 2012. E os Maias realmente eram bons! Decretaram o Fim do Mundo  numa sexta-feira! Ótimo dia da semana para um happy hour, afinal, se o mundo vai acabar melhor que estejamos bêbados. E como há uma chance de 99,9% de que ele não acabe (Ei! nada é 100% certo) no sábado faremos outra festa pra comemorar. Domingo estaremos de ressaca e na segunda comemoramos o Natal. São quase três dias seguidos de festas, sem contar que poucos dias depois estaremos comemorando o Ano Novo. Obrigada aos Maias pelo senso de oportunidade! O Fim do Mundo não seria tão divertido se tivesse sido previsto para 21 de junho.

Mencionei que há também quem acredite que no próximo ano a Terra vá colidir com um planeta, apelidado Nibiru, ou ser sugada por um buraco negro?
Nibiru? Sério? O idiota que previu isso tem que ser fã do Dragon Ball Z.

Agora, outras profecias em que o mundo NÃO acabou:

Teóricos do apocalipse disseram que o Juízo Final ocorreria 1.000 após o nascimento de Cristo. Explicaram depois que a data certa era 1.000 anos depois da morte de Cristo, em 1033. Quando o mundo não acabou de novo, pararam de explicar.
Astrólogos previram que o fim do mundo começaria em 1524 com a inundação de Londres em 1º de fevereiro. Não ocorreu, Na verdade, nem choveu. Disseram que houve um erro de cálculo de 100 anos. O certo era 1624. E quando chegou esse ano, quem fez o calculo obviamente não estava vivo, de modo que pudesse dar outra desculpa.
Em 1533 Melchior Hoffmann, profeta anabatista, previu que, um milênio e meio depois da morte de Cristo, o mundo seria consumido em chamas.  Hoffmann acabou preso e morreu na cadeia.
Já o judeu Sabbatai Zevi descobriu que ele mesmo era o Messias e viria em 1648. Mudou a data para 1666. Preso, converteu-se ao islamismo.
Em 1736 o teólogo inglês William Whiston previu que o fim seria em Londres em 13 de outubro. O rio Tâmisa ficou atulhado de barcos para fugir da inundação. Nem chuviscou.  O que esse povo tem contra Londres, afinal?
O adventista William Miller começou a dizer, em 1840, que o mundo ia acabar e Cristo regressaria, prevendo um grande incêndio entre 21 de Março de 1843 e 21 de Março de 1844. Quando a data passou, disse que afinal era até Outubro. O fim nunca chegou, mas os seus seguidores formaram a Igreja Adventista do Sétimo Dia. Miller viveu o suficiente para testemunhar o fracasso de todas as suas previsões.

Egiptólogos previram o começo do fim do mundo para 1881. Refizeram as contas e concluíram que o ano fatal seria 1936. Fizeram novo cálculo cujo resultado deu o ano de 1953.
Em 1914, testemunhas de Jeová anunciaram que o planeta não iniciaria o ano seguinte. Refizeram o cálculo para 1975.
O norte-americano William Branham, da igreja pentecostal afirmou ter recebido a visita de sete anjos, em Fevereiro de 1963, e indicou que o fim do mundo seria em 1977. Mas não viveu para assistir a esse dia. Morreu em 1965, depois de um acidente de carro.
Em 1980 um presságio astrológico árabe dizia que o mundo acabaria com Saturno e Júpiter em conjunção com o signo de Libra a 9 graus, 29 minutos.  Verificou-se que o cálculo da conjunção estava errado. Mas nem por isso o horóscopo perdeu em prestígio.
No livro O Efeito Júpiter, astrônomos previam um cataclismo para 10 de março de 1982. Um dos autores da previsão deu a desculpa esfarrapada de que um terremoto de 1980 anulou as condições que indicam a catástrofe final.

Em 1999 diversas profecias anunciaram o fim do mundo para 11 de agosto. Os profetas afirmaram que os cálculos de Nostradamus estavam errados e Hollywood aproveitou o tema pra lançar alguns filmes realmente ruins.
Já o pastor americano Harold Camping disse que, com base em seus cálculos, Cristo voltaria no dia 21 de maio de 2011, quando os puros seriam arrebatados e os maus iriam para o inferno. Alguns desastres naturais, como o terremoto seguido de tsunami no Japão, serviram para reforçar a profecia. Não ocorreu e o fundador do grupo evangélico da Family Radio disse estar "perplexo" com o fato de a sua profecia ter falhado. Ele virou motivo de piada em todo o mundo. Camping admitiu ter errado no cálculo e remarcou da data do fim do mundo para 21 de outubro de 2011.
E caso o Juízo Final não ocorra agora, no dia 21, não se preocupem! Perdedores de várias épocas registraram que o Juízo Final ocorrerá em 2033, quando a morte de cristo completará 2000 anos.

fonte: http://www.paulopes.com.br/2011/04/profecias-do-fim-do-mundo.html#.ULEa6mcagck
P.S. O fim do mundo não rende bons filmes, mas pode gerar alguns clips realmente legais.









.



Eu Amo Taylor Says!


Mais sapatos da Taylor Reeve, jovem artista norte-americana sediada em San Diego, na Califórnia, que além de ser designer de calçados e já ter trabalhado para a Quicksilver e SkullCandy, também faz grafite nas horas vagas. Lembrando que essas preciosidades podem ser compradas no brasil no site da Etsy a partir de 400 reais o par.









sexta-feira, 23 de novembro de 2012




E aqui estou eu:
Coberta de estrelas,
Molhada de chuva e pés coloridos
Manchados com todas as cores do arco-íris.
E no coração o azul da liberdade...
Ser livre é tudo.

Lu Lopes

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

The Darkest Craving


Gena Showalter divulgou a sinopse de The Darkest Craving, décimo volume de Senhores do Mundo Subterrâneo, com previsão de lançamento para 30 de julho, e ainda sem capa oficial.

Suportando por semanas a tortura nas estranhas do inferno, Kane não quer ter nada a ver com sua bela salvadora, Josephina Aisling. A meia fada ameaça despertar o demônio do Desastre dentro dele, uma besta que ele está determinado a matar, sem importar o preço.

Josephina está sendo caçada por um brutal inimigo–sua nobre família—e Kane é sua única chance de proteção. Ele também é o único homem que a coloca em chamas, e logo ele sucumbe ao calor. Mas à medida que navegam no traiçoeiro mundo dos Fae, eles são forçados a fazer uma escolha: viverem separados… ou morrerem juntos.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

OLINDA






Olinda, Pernambuco, é uma das mais bem preservadas cidades coloniais do Brasil. Foi a segunda cidade brasileira a ser declarada Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, em 1982, após Ouro Preto. Uma das mais antigas cidades brasileiras, foi fundada (ainda como um povoado) em 1535 pelo primeiro donatário da Capitania de Pernambuco, o português Duarte Coelho. Duarte fez tudo pelo desenvolvimento da terra: fundou o primeiro engenho de açúcar, desenvolveu a agricultura e estabeleceu um livro de tombo.

Sob certos aspectos, Olinda rivalizava com a metrópole portuguesa. Seus velhos sobrados tinham dobradiças de bronze, enquanto as igrejas, principalmente a Sé, ostentavam, em suas portas principais, dobradiças de prata e chaves fundidas em ouro.

Olinda é um município essencialmente habitacional, comercial e turístico. Pode-se dizer que é uma "semicidade dormitório" em relação à vizinha capital pernambucana, Recife.























Igreja do Carmo


Localização: Praça do Carmo, s/n – Carmo.
Fone: (81) 3429. 2892
Visitação: todos os dias, das 9h às 17h.

Construída em 1580, como Capela de Santo Antônio e São Gonçalo, o prédio passou, em 1581, a ser o Convento do Carmo, tornando-se o mais antigo templo da Ordem dos Carmelitas no Brasil. O local possuía o maior sino da cidade, sendo retirado e transformado, em 1630, em armamento pelas tropas holandesas. Nesta época, os flamengos obrigaram os frades a abandonarem a igreja e o convento que já estava em fase de conclusão.

Em 1720, graças aos esforços dos portugueses, o prédio, danificado pela ação dos holandeses, foi reconstruído. Sua modulação obedeceu ao estilo barroco da época. O altar-mor possui três nichos: o mor, com a imagem da padroeira em estilo barroco e as laterais, dedicados aos santos fundadores da Ordem dos Carmelitas (Santo Elias e Santo Eliseu).

Além das belas cadeiras usadas pelo coral, existem vários quadros a óleo sobre madeira, pintados pelos frades, que representam uma boa mostra dos trabalhos feitos pelos religiosos da época. Na frente da Igreja do Carmo, pode-se ver o terceiro cruzeiro existente na Primeira Capital Brasileira da Cultura.
  










Igreja de São Salvador do Mundo (Igreja da Sé)


Localização: Alto da Sé, s/n.
Fone: (81) 3271.4270
Visitação: todos os dias, das 9h às 17h.

Inicialmente uma pequena capela de taipa, erguida pelo donatário de Pernambuco, Duarte Coelho, que via no alto da colina, uma possibilidade de proteção contra os inimigos. Foi levantada sob a invocação de Nosso Senhor Salvador do Mundo e, em 1548, deu-se início a construção da nova Igreja Matriz, sofrendo em 1584 sua primeira reforma.

Durante a invasão holandesa, serviu como templo protestante e sua estrutura sofreu bastante com o incêndio ateado pelo invasor. Foi reconstruída na Restauração Pernambucana em 1669, em estilo gótico, e em 1676, elevada à categoria de Catedral, já que Olinda, neste período, passava de vila para cidade. O prédio passou por várias reformas ao longo dos tempos e, em 1983, foi concluída a mais recente restauração.

Sua fachada é em estilo colonial renascentista e barroco. Possui três portas em madeira ladeadas por colunas jônicas, formando com seu frontispício e suas torres um belo conjunto arquitetônico. A segunda torre foi construída em 1713, condição para elevá-la ao status de Catedral. No seu interior, duas ricas capelas laterais em estilo barroco com entalhe e douramento, rica em arquitetura e trabalhos artísticos, possuem grandes colunas em pedra.

O forro do teto, é em madeira abaulada, alto e imponente, além de existirem belos quadros pintados a óleo, talhas em madeira e pedras e móveis em jacarandá. A única coisa original, vencedor até do incêndio de 1631, é a porta principal. No local encontra-se o túmulo do arcebispo emérito de Recife e Olinda, Dom Heldér Câmara.

INSTITUTO RICARDO BRENNANAD

 

O Instituto Ricardo Brennand (IRB), localizado na cidade de Recife, é uma organização privada sem fins lucrativos, fundada em 2002 pelo colecionador e empresário pernambucano Ricardo Brennand. O instituto está sediado em um complexo arquitetônico em estilo medieval, composto por trés prédios: Museu Castelo São João, Pinacoteca e Galeria. Inspirado no estilo Tudor, com área construída de 77.000 metros quadrados,é uma construção contemporânea, combinada com alguns elementos decorativos originais, tais como uma ponte levadiça, relevos de brasões e um altar em estilo gótico. Cercando o complexo, há um vasto parque com uma área de 18.000 hectares, dotado de lagos artificiais e esculturas em grande escala, tais como uma fundição recente de O Pensador de Auguste Rodin, uma cópia do David de Michelangelo, A Dama e o Cavalo de Fernando Botero e outras peças de Sonia Ebling e Leopoldo Martins, entre outros.
Possui uma coleção permanente de objetos histórico-artísticos de diversas procedências, abrangendo o período que vai da Baixa Idade Média ao século XXI, com forte ênfase na documentação histórica e iconográfica relacionada ao período colonial e ao Brasil Holandês, incluindo a maior coleção do mundo de pinturas de Frans Post, com quinze obras.

O instituto também abriga um dos maiores acervos de armas brancas do mundo, com mais de 3.000 peças, a maior parte proveniente da Europa e da Ásia, produzidas entre os séculos XIV e XXI. A biblioteca do instituto possui mais de 62 mil volumes, datados do século XVI em diante, destacando-se as coleções de brasiliana (termo que designa um conjunto de livros, publicações e estudos, que tenham por tema a história, a cultura e quaisquer outros aspectos sobre o Brasil) e obras raras.