quinta-feira, 23 de agosto de 2012

O Urubu e a Vitória Régia


Pobre Urubu certo dia
Foi justamente pousar
Sobre uma pedra que havia
Na margem do rio mar

Onde vivia reinando
Com todo o seu esplendor,
A linda Vitória Régia
Vestida de nívea cor.

- Bendita sejas Vitória
Rainha de graças mil,
Disse o Urubu: eu te aclamo
Flor das flores do Brasil!

Ia ficar sem resposta
A saudação, mas ao fim
A altiva Vitória Régia
Voltou-se e falou assim:

- Olha lá como me falas
Oh atrevido Urubu
Ante a minha majestade
Oh infeliz, quem és tu?

Quem és tu que não te curvas
Negro da cor de retrós?
Pesa melhor a distância
Imensa que há entre nós!

E ainda mais, não te esqueças:
Da cor da neve nasci
Filha do rei amazonas
Sou eu quem domina aqui!

Quando o sol me tinge a face
Com o mais custoso carmim
Qual a Rainha da terra
Que tem uma face assim?

O Urubu caiu das nuvens
Tão espantado ficou
Que só depois de passado
Longo tempo, assim falou:

- Que nascestes cor da neve
E que és rainha, sei bem
Mas, não te esqueças vaidosa
Que nasci branco também...
E não te esqueças que embora
Ande assim de léu em léu,
Tu vives presa no lodo
E eu vivo livre no céu !

(Agnelo Rodrigues De Melo)

6 comentários:

  1. Por favor Luci em qual livro Agnelo publicou o poema o Urubu e a Vitória Regia??

    ResponderExcluir
  2. Eu não sei. Esse poema era comum ser encontrados nos livros de português. Eu nunca o esqueci, então o resgatei, mas nunca encontrei referência do livro. Inclusive o autor é duvidoso porque já vi referências desse poema feitas a Monteiro Lobato, Fernando Pessoa e até Olavo Bilac.

    ResponderExcluir
  3. Ouvi esse poema há 40 anos e só agora o encontrei. Maravilhoso

    ResponderExcluir
  4. Aprendi com esse poema, aos meus oito anos, como é desprezivel o preconceito.E o guardei "par coeur".

    ResponderExcluir
  5. Li esse poema numa aula de português, no ginásio há 50 anos atrás, me parece que esse poema é de Monteiro Lobato.

    ResponderExcluir
  6. Saudade do meu livro de português, já se vão mais de cinquenta anos. Obrigado por resgatar este conto poema que ficou em trechos em minha memória.
    Dr. Jonival Cunha.

    ResponderExcluir