sexta-feira, 13 de julho de 2012

Wabi Sabi - A Arte da Imperfeição





Wabi sabi é a expressão que os japoneses inventaram para definir a beleza que mora nas coisas imperfeitas e incompletas. O termo é quase que intraduzível. Na verdade, wabi sabi é um jeito de "ver" as coisas através de uma ótica de simplicidade, naturalidade e aceitação da realidade.

Sua origem viria do taoismo e zen-budismo chinês que influenciou a cultura japonesa. Isso teria ocorrido quando  o sacerdote budista Murata Shukô de Nara (1423-1502) alterou a cerimônia do chá, eliminando o fausto do ouro, jade e da porcelana do popular serviço de chá chinês e introduzindo instrumentos simples e rústicos de madeira e argila.

Uns cem anos mais tarde, o famoso mestre do chá Sen no Rikyu de Quioto (1522-1591) introduziu o wabi sabi nos lares dos poderosos. Construiu uma casa de chá com uma porta tão baixa que mesmo o imperador teria de se curvar para entrar, lembrando a todos a importância da humildade diante da tradição, do mistério e do espírito.

As histórias sobre Rikyu dizem que, quando jovem, ele decidiu aprender os complicados rituais da Cerimônia do Chá, tendo procurado o grande mestre Takeno Joo. Para testar o rapaz, o mestre mandou que ele varresse o jardim. Rikyu lançou-se ao trabalho feliz. Limpou o jardim até que não restasse nem uma folhinha fora do lugar. Ao terminar, examinou cuidadosamente o que tinha feito: o jardim perfeito, impecável, cada centímetro de areia imaculadamente varrido, cada pedra no lugar, todas as plantas caprichadamente ajeitadas. E então, antes de apresentar o resultado ao mestre Rikyu chacoalhou o tronco de uma cerejeira e fez caírem algumas flores que se espalharam displicentes pelo chão. Mestre Joo, impressionado, admitiu o jovem no seu mosteiro. Rikyu virou um grande Mestre do Chá e desde então é reverenciado como aquele que entendeu a essência do conceito de wabi-sabi: a arte da imperfeição, da delicadeza e do amor à simplicidade.

Fonte:
Wabi sabi – Mark Reibstein / Ed Young
















2 comentários:

  1. A poesia está guardada nas palavras
    É tudo que eu sei
    Meu fardo é não entender quase tudo
    Sobre o nada eu tenho profundidades
    Eu não cultivo conexões com o real
    Para mim poderoso não é aquele que descobre o ouro
    Poderoso pra mim é aquele que descobre as insignificâncias do mundo e as nossas
    Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil
    Fiquei emocionado e chorei
    Sou fraco para elogios.


    |Manoel de Barros - Tratado Geral das Grandezas do Ínfimo|


    amei tudo...imagens tão lindas!

    beijo

    ResponderExcluir
  2. Me apunto a "la esencia del concepto de wabi-sabi"
    Gra
    ci
    a
    s

    ResponderExcluir