segunda-feira, 11 de junho de 2012

12 de junho - Dia dos Namorados



O Dia dos Namorados ou Dia de São Valentim é uma data especial e comemorativa na qual se celebra o amor entre casais, sendo comum a troca de cartões e presentes, tais como as tradicionais caixas de bombons. No Brasil, a data é comemorada no dia 12 de junho. Em Portugal também acontecia o mesmo até a poucos anos, mas atualmente é mais comum a data ser celebrada em 14 de fevereiro.

E não importa se você está mesmo apaixonado, se vai comemorar esse dia só ou com um ficante; ou só quer dar uns amassos, a cada ano esta é a data em que acreditamos no amor. Esperamos por ele. O valorizamos.
Não! Não negue... Admita! Lá no fundo – em algumas pessoas é realmente fundo – tudo o que quer é se apaixonar. Loucamente!

E porque não o faria? O Amor é a emoção mais valorizada pelo ser humano. Seja platônico, apaixonado, não correspondido, permeia toda a história da humanidade. Seus mitos, sua arte, sua literatura, suas canções. 

Na mitologia grega, Psiquê e Eros enfrentam todos os obstáculos para ficarem juntos (e por obstáculos entendam uma sogra de amargar) e Orfeu vai ao Inferno por Eurídice. No Antigo Testamento, Jacó espera catorze anos por Raquel e Davi se desonra diante de Deus por amor a Betsabá. Na Bíblia, até Deus deseja ser amado acima de todas as coisas.
Duas grandes maravilhas do mundo antigo e atual – Os Jardins Suspensos da Babilônia e o Taj Mahal – foram erguidas por amor. E o que dizer de Tristão e Isolda, Guenevere e Lancelot, Abelardo e Heloísa? Trágicas e apaixonantes histórias que atravessaram séculos até os dias atuais. Nossa literatura encerra milhares de histórias, felizes e trágicas, medíocres ou grandiosas, onde o amor é o principal protagonista.

Simplesmente amamos o Amor e esperamos o melhor Dele. E possivelmente foi pra reparar a óbvia ausência desse sentimento em nossos pais metafóricos, Adão e Eva, que o poeta Olavo Bilac escreveu uma das mais belas declarações de amor que já li.

Afinal, todo mundo sabe que a primeira coisa que Adão disse a Eva quando foram expulsos do Paraíso foi: a culpa é toda sua! Como se Eva tivesse colocado uma arma na cabeça dele e o forçado a comer a maldita maçã...

Pelo menos, neste poema, Adão foi redimido.



A Alvorada do Amor

Um horror, grande e mudo, um silêncio profundo
No dia do Pecado amortalhava o mundo.
E Adão, vendo fechar-se a porta do Éden, vendo
Que Eva olhava o deserto e hesitava tremendo,
Disse:
Chega-te a mim! entra no meu amor,
E à minha carne entrega a tua carne em flor!
Preme contra o meu peito o teu seio agitado,
E aprende a amar o Amor, renovando o pecado!
Abençoo o teu crime, acolho o teu desgosto,
Bebo-te, de uma em uma, as lágrimas do rosto!
Vê, tudo nos repele! a toda a criação
Sacode o mesmo horror e a mesma indignação...
A cólera de Deus torce as árvores, cresta
Como um tufão de fogo o seio da floresta,
Abre a terra em vulcões, encrespa a água dos rios;
As estrelas estão cheias de calafrios;
Ruge soturno o mar; turva-se hediondo o céu...
Vamos! Que importa Deus? Desata, como um véu,
Sobre a tua nudez a cabeleira! Vamos!
Arda em chamas o chão; rasguem-te a pele os ramos;
Morda-te o corpo o sol; injuriem-te os ninhos;
Surjam feras a uivar de todos os caminhos;
E, vendo-te a sangrar das urzes através,
Se amaranhem no chão as serpes aos teus pés...

Que importa? o Amor, botão apenas entreaberto,
Ilumina o degredo e perfuma o deserto!
Amo-te! Sou feliz! Porque, do Éden perdido,
Levo tudo, levando o teu corpo querido!
Pode, em redor de ti, tudo se aniquilar:
Tudo renascerá cantando ao teu olhar,
Tudo, mares e céus, árvores e montanhas,
Porque a Vida perpétua arde em tuas entranhas!
Rosas te brotarão da boca, se cantares!
Rios te correrão dos olhos, se chorares!
E se, em torno ao teu corpo encantador e nu,
Tudo morrer, que importa? A natureza és tu,
Agora que és mulher, agora que pecaste!

Ah! bendito o momento em que me revelaste
O amor com teu pecado, e a vida com o teu crime!
Porque, livre de Deus, redimido e sublime,
Homem fico na terra, à luz dos olhos teus,
Terra, melhor que o Céu! Homem maior que Deus!

Assim, durante este mês, estarei relembrando algumas das mais belas histórias de amor que conheço, e espero que compartilhem essa jornada comigo. E iniciarei com uma história tão famosa que a única referência necessária é o nome de seus amantes...


 
Romeu e Julieta



Nenhum comentário:

Postar um comentário