sábado, 30 de junho de 2012

Paulo Leminski




Paulo Leminski (1944 — 1989) nasceu em Curitiba, e foi um escritor, tradutor, poeta, e professor brasileiro. Leminski tornou-se reconhecido por ter inventado seu próprio jeito para escrever poesias, fazendo trocadilhos ou brincando com ditados populares. Paulo Leminski foi também professor de História e de Redação em cursos pré-vestibulares, além de professor de judô.

Leminski teve poemas e textos publicados em diversas revistas, escreveu letras de músicas com uma grande influência de MPB (Música Popular Brasileira) chegando até a fazer pareceria com Caetano Veloso.



"Abrindo um antigo caderno
foi que eu descobri:
Antigamente eu era eterno."

"Tarde de vento.
Até as árvores
querem vir para dentro."


Amor bastante

"Quando eu vi você
tive uma idéia brilhante
foi como se eu olhasse
de dentro de um diamante
e meu olho ganhasse
mil faces num só instante
basta um instante
e você tem amor bastante"


Atraso Pontual

"Ontens e hojes, amores e ódio,
adianta consultar o relógio?
Nada poderia ter sido feito,
a não ser o tempo em que foi lógico.
Ninguém nunca chegou atrasado.
Bençãos e desgraças
vem sempre no horário.
Tudo o mais é plágio.
Acaso é este encontro
entre tempo e espaço
mais do que um sonho que eu conto
ou mais um poema que faço?"



Razão de Ser

"Escrevo. E pronto.
Escrevo porque preciso,
preciso porque estou tonto.
Ninguém tem nada com isso.
Escrevo porque amanhece,
E as estrelas lá no céu
Lembram letras no papel,
Quando o poema me anoitece.
A aranha tece teias.
O peixe beija e morde o que vê.
Eu escrevo apenas.
Tem que ter por quê?"

"Amor, então,
também, acaba?
Não, que eu saiba.
O que eu sei
é que se transforma
numa matéria-prima
que a vida se encarrega
de transformar em raiva.
Ou em rima."


 
"Não discuto
com o destino
O que pintar
eu assino"

"Pelos caminhos que ando
um dia vai ser
só não sei quando
O barro
toma a forma
que você quiser
Você nem sabe
estar fazendo apenas
o que o barro quer"


Arte do Chá

"Ainda ontem
convidei um amigo
para ficar em silêncio
comigo
Ele veio
meio a esmo
praticamente não disse nada
e ficou por isso mesmo"

Vintage e Retrô





Vintage é um estilo de vida e moda retrógrada, uma recuperação de estilos das décadas de 1920, 1930, 1940, 1950 e 1960.

A palavra Vintage no século XVIII passou a significar “ano em que foi feito um vinho”. Entretanto, ao longo dos anos, a palavra se incorporou ao vocabulário da moda para melhor definir uma peça de roupa ou acessório de um estilo pertencente a outra época. Os requisitos para ser “Vintage” são: pelo menos 20 anos de antiguidade, ser testemunha de um estilo próprio ou de um estilista, não haver sofrido nenhuma transformação (releitura), representar um instante da moda e estar em perfeito estado. No oposto, Coleções que revisitaram certas décadas, buscaram inspiração em algumas peças e que estejam sendo produzidas para consumo são releituras, e podem ser classificadas como Retro.
Alguns estilistas atribuem ao retorno das modas das décadas de setenta, oitenta e noventa um certo teor "vintage", mas, por serem relativamente recentes, o termo não é devidamente atribuído a estas décadas. O resgate da moda pin-up é um exemplo de "moda vintage". Roupas com tecidos propositalmente "desgastados" também são chamados vintage, justamente por ter uma aparência de usado, antigo, de outra época. Mas tambem sendo usada em outras epocas.
O termo Retro ou Retrô, significa para trás e confunde-se com o Vintage, afinal tudo tem a ver com o passado. Ainda como exemplo, o Vintage é aquele produto original encontrado em um Brechó, Loja, Bazar ou Antiquário, seja ele uma roupa, acessório ou objeto de decoração antiga, mas emblemática e em bom estado. Ao contrário no quesito tempo, Retrô é o lançamento atual de algum produto ou peça, com a inspiração Vintage e completamente repaginado. Ou seja, o Retrô é algo incrivelmente novo com a aparência muito antiga e que faz sucesso pela releitura perfeita de uma época, ou de um estilo marcante.

 









Diva Retrô

A americana Dita Von Teese, atriz e dançarina, é conhecida no mundo todo pelo seu estilo pin-up e por fazer strip-tease associado ao burlesco (teatro cômico de século 19 que consistia em parodiar os hábitos sociais da alta sociedade - foi com o burlesco que surgiu o strep-tease).

Quando criança, Dita era fascinada por musicais da MGM e imitava as estrelas da Era de Ouro de Hollywood. Aos 18 foi trabalhar em um clube de strep-tease e também como modelo, mas focada em fetichismo. 

Dita _ Heather Renée Sweet - transformou o ato de tirar a roupa em cult, já tendo aparecido mais de 30 vezes na playboy. É considerada a sex simbol mais luxuosa do planeta, sempre vestida e maquiada tendo como referência as mulheres da década de 40 e 50. 

Em 2005 casou-se com o cantor Marilyn Manson, de quem separou-se em 2007. 



A diva já lançou um perfume, uma linha de lingerie e roupas, e tornou-se boneca (marca Emilia Couture). Tudo com ritual retrô e pin-up. 




                      O vestido abaixo é o primeiro da linha a ser divulgado.



                                      Lingerie  sensual para todos os tamanhos

                                                                         Perfume

                                                                   
                                                                      Boneca


                                                                  Diva Retrô 















sexta-feira, 29 de junho de 2012

O Estatuto do Homem



ESTATUTO DO HOMEM
   (Ato Institucional Permanente)
 
                                          A Carlos Heitor Cony
 
    Artigo I
 
   Fica decretado que agora vale a verdade.
   agora vale a vida,
   e de mãos dadas,
   marcharemos todos pela vida verdadeira.
 
 
   Artigo II
   Fica decretado que todos os dias da semana,
   inclusive as terças-feiras mais cinzentas,
   têm direito a converter-se em manhãs de domingo.
 
 
   Artigo III
 
   Fica decretado que, a partir deste instante,
   haverá girassóis em todas as janelas,
   que os girassóis terão direito
   a abrir-se dentro da sombra;
   e que as janelas devem permanecer, o dia inteiro,
   abertas para o verde onde cresce a esperança.
 
 
   Artigo IV
 
   Fica decretado que o homem
   não precisará nunca mais
   duvidar do homem.
   Que o homem confiará no homem
   como a palmeira confia no vento,
   como o vento confia no ar,
   como o ar confia no campo azul do céu.
 
           Parágrafo único:
 
           O homem, confiará no homem
           como um menino confia em outro menino.
 
 
   Artigo V
 
   Fica decretado que os homens
   estão livres do jugo da mentira.
   Nunca mais será preciso usar
   a couraça do silêncio
   nem a armadura de palavras.
   O homem se sentará à mesa
   com seu olhar limpo
   porque a verdade passará a ser servida
   antes da sobremesa.
 
 
   Artigo VI
 
   Fica estabelecida, durante dez séculos,
   a prática sonhada pelo profeta Isaías,
   e o lobo e o cordeiro pastarão juntos
   e a comida de ambos terá o mesmo gosto de aurora.
 
 
   Artigo VII
   Por decreto irrevogável fica estabelecido
   o reinado permanente da justiça e da claridade,
   e a alegria será uma bandeira generosa
   para sempre desfraldada na alma do povo.
 
 
   Artigo VIII
 
   Fica decretado que a maior dor
   sempre foi e será sempre
   não poder dar-se amor a quem se ama
   e saber que é a água
   que dá à planta o milagre da flor.
 
 
   Artigo IX
   Fica permitido que o pão de cada dia
   tenha no homem o sinal de seu suor.
   Mas que sobretudo tenha
   sempre o quente sabor da ternura.
 
 
   Artigo X
   Fica permitido a qualquer pessoa,
   qualquer hora da vida,
   o uso do traje branco.
 
 
   Artigo XI
 
   Fica decretado, por definição,
   que o homem é um animal que ama
   e que por isso é belo,
   muito mais belo que a estrela da manhã.
 
 
   Artigo XII
 
   Decreta-se que nada será obrigado
   nem proibido,
   tudo será permitido,
   inclusive brincar com os rinocerontes
   e caminhar pelas tardes
   com uma imensa begônia na lapela.
 
           Parágrafo único:
 
           Só uma coisa fica proibida:
           amar sem amor.
 
 
   Artigo XIII
 
   Fica decretado que o dinheiro
   não poderá nunca mais comprar
   o sol das manhãs vindouras.
   Expulso do grande baú do medo,
   o dinheiro se transformará em uma espada fraternal
   para defender o direito de cantar
   e a festa do dia que chegou.
 
 
   Artigo Final.
 
   Fica proibido o uso da palavra liberdade,
   a qual será suprimida dos dicionários
   e do pântano enganoso das bocas.
   A partir deste instante
   a liberdade será algo vivo e transparente
   como um fogo ou um rio,
   e a sua morada será sempre
   o coração do homem.

  Thiago de Mello
Santiago do Chile, abril de 1964

quinta-feira, 28 de junho de 2012


Será que a liberdade é uma bobagem?...
Será que o direito é uma bobagem?...
A vida humana é alguma coisa a mais que ciências,artes e profissões.
E é nessa vida que a liberdade tem um sentido,e o direito dos homens.
A liberdade não é um prêmio,é uma sançao.Que há de vir .

Mário de Andrade


Minha obra toda badala assim: Brasileiros, chegou a hora de realizar o Brasil.

Mário de Andrade

quarta-feira, 27 de junho de 2012



Amar não é aceitar tudo. Aliás: onde tudo é aceito, desconfio que há falta de amor.

Vladimir Maiakóvski


Busque Amor novas artes, novo engenho,
para matar me, e novas esquivanças;
que não pode tirar me as esperanças,
que mal me tirará o que eu não tenho.

Olhai de que esperanças me mantenho!
Vede que perigosas seguranças!
Que não temo contrastes nem mudanças,
andando em bravo mar, perdido o lenho.

Mas, conquanto não pode haver desgosto
onde esperança falta, lá me esconde
Amor um mal, que mata e não se vê.

Que dias há que n'alma me tem posto
um não sei quê, que nasce não sei onde,
vem não sei como, e dói não sei porquê.


Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É um cuidar que se ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade
É servir a quem vence o vencedor,
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade;
Se tão contrário a si é o mesmo amor?